sexta-feira, março 12, 2010

AQUELA NOITE

Aquela noite fría en Compostela
de paseo antigo ebriagado e bohemio
en que lle deu por tender o corpo como un lenzo
pousado en pleno centro da entrañábel praza
do Obradoiro de poesía e soños
tan só para contemplar ante si a inmensidade
dende o corpo de elegancia rendida
proxectada con soberbia cara o ceo estrelecido.
A xeada sempre escolle as costas para entrar no corpo.
Unha figura maxestosa de contornos
como unha fermosa ondulación da pedra,
en harmonía co ancestral cosmos que procura,
negra sombra que do seu asombro se asombra
para deixar na lúa a pegada dun soño.
Era todo desexo fatal incontíbel en garda en espera.
Todo era tentación doce a caer en decadencia
e deixarse caer xa sen remilgos sobre un corpo ben acaído
tan suavemente, como orballo na madrugada, esa fera
e depositar aquel bico delicado nos perfilados beizos,
procurar con ansia o cosmos cara a cara
e remexer estrelas coa lingua ebriagada de lus
para a posteridade.
A tentación alí estaba na praza.
Sen dúbida,
a imaxinación no luar desatada.
Era un intre de pedra xeada. El suaba a fío.
Aquela noite fría, Compostela era un bico na lembranza.
Afroxou o nudo da garabata, mais xa era tarde.
O dandi penduraba enforcado no devalo.

.
......................... - Alfonso Láuzara -
("Dandismo en Compostela")

2 comentários:

ANA PAULA disse...

O Dandismo em pleno século XXI, muito bem retratado por ti amigo. Brummel é a primeira figura a encarnar uma tal postura, nos finais do séc. XVIII. No caso do nosso Almeida Garrett a noção de dandismo, implica uma atitude cultural, que relaciona o dandismo com o imaginário romântico, e ainda com outro elemento fundamental na formação do escritor: o exílio.
Gostei de ler e de recordar um pouco da história mundial. Beijinho para ti Alfonso...

Alfonso disse...

Muito obrigado, querida Ana, pelo teu comentário tão bem ilustrado para dar um brilho a meu poema. Por acaso eu tentei entrar no conceito tomando inspiração também daquela minha experiência vital de estudante em Compostela com a ideia de recrear uma sequência imaginaria do que pudesse ser um dandi. Agora gostei muito de teu comentário, obrigado mais uma vez.
Um prazer! Beijos
- Alfonso -